Infelizmente, a dengue é uma doença que preocupa os brasileiros. Em 2019, os casos aumentaram 599% em todo o país, com aumento expressivo principalmente em Minas Gerais e São Paulo.

Nas crianças, a dengue pode ser mais séria e, justamente por isso, exige atenção redobrada dos pais, tanto para conseguir detectá-la como para entender as maneiras de proteger seus filhos.

Quais são os sintomas da dengue em crianças?

A dengue em crianças pode ter sintomas variados, sendo fácil confundi-los com gripes e resfriados. Por isso, é importante atenção redobrada.

Os sintomas clássicos da dengue em crianças são:

  • febre aguda com duração de até 7 dias;
  • dor de cabeça;
  • dor atrás dos olhos;
  • dor nos músculos e nas articulações;
  • manchas vermelhas na pele (com ou sem sangramentos);
  • estado geral mais apático e debilitado;
  • falta de apetite.

Nas crianças menores de 2 anos (especialmente naquelas com menos de 6 meses), os sintomas como dor no corpo e dor de cabeça podem ser manifestados por meio de choro persistente, irritabilidade e fraqueza – o que pode levar os pais a confundirem com outras doenças infecciosas que também cursam com febre.

Lembrando que seu filho não, necessariamente, apresentará todos esses sintomas – e algumas crianças ainda podem desenvolver outros sintomas como vômitos, diarreia e dor no abdômen.

Quais os sinais de que a dengue está se agravando?

Uma das principais preocupações é com a dengue hemorrágica – um tipo mais agressivo e que pode ser fatal. Em geral, ela acontece quando a criança já foi infectada anteriormente por um tipo diferente do vírus da dengue.

No Brasil e no mundo existem 4 tipos de dengue: DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4. Assim, é possível desenvolver a dengue clássica, a febre hemorrágica e até a síndrome de choque da dengue, que pode ser fatal.

Independentemente do tipo, é essencial ficar de olho e acompanhar os sintomas do seu filho. Em um quadro inicial, alguns sintomas podem passar despercebidos dos pais, mas o agravamento geral precisa de intervenção rápida.

Se o seu filho apresentar: vômitos persistentes, queda repentina da temperatura do corpo, sangramentos, agitação ou sonolência, choro persistente, pele fria e pálida, diminuição da quantidade de urina, dor intensa na barriga e dificuldade para respirar, leve-o imediatamente ao atendimento médico.

Tratamento

Como a dengue é uma doença viral, o tratamento é feito com medidas de suporte que visem reduzir os sintomas até que a própria criança consiga combater o problema. Em geral, não há necessidade de internação, apenas nos quadros mais graves e a recomendação é para redobrar os cuidados com a hidratação.

O diagnóstico da doença é feito por meio de um exame de sangue que avalia a presença do vírus. Em geral, o resultado demora alguns dias para sair – mas os médicos já podem iniciar o tratamento de suporte antes mesmo da confirmação da doença, evitando que a criança venha a piorar.

Se o seu filho estiver muito debilitado, ele poderá ter que tomar soro na veia. Recomenda-se também um aporte na ingestão de líquidos e o médico poderá indicar medicamentos de controle da febre, dor e vômitos, além de orientar para o agravamento dos sintomas.

Normalmente, a dengue dura cerca de 10 dias, mas a recuperação total pode ser mais longa: entre 2 a 4 semanas.

Como faço para proteger meus filhos da dengue?

A melhor maneira de proteger seus filhos contra a dengue é combatendo o mosquito Aedes aegypti, evitando água parada em recipientes de qualquer natureza e também mantendo os depósitos domésticos de água completamente fechados.

Mas, apesar disso, nem sempre é fácil evitar que haja focos de mosquito nas casas e prédios vizinhos, não é mesmo? Por isso, vale a pena investir em outras medidas de proteção como:

  • uso de mosquiteiros e telas em janelas e berços, ou outros locais onde o bebê estiver;
  • uso de repelentes nos quartos dos bebês e também aplicados na pele das crianças, desde que, claro, eles sejam regulamentados para o uso infantil. No caso dos repelentes, os produtos mais eficientes contra o mosquito são os que contêm DEET (eficaz para repelir o mosquito da dengue, zica, chikungugya, febre amarela, malária e culex). O repelente deve ser aplicado apenas nas áreas de pele expostas (evitando a região dos olhos, boca e mãos).

Como você viu, a dengue em crianças exige mais atenção e cuidado, pois, como eles são mais sensíveis e não têm o sistema imunitário ainda completo, podem sofrer com o agravamento rápido da doença.

Por isso, é indispensável conhecer bem os sintomas e sempre buscar prevenir a doença, protegendo as crianças contra o mosquito da dengue.

Gostou das nossas dicas? Compartilhe este conteúdo com outros pais nas suas redes sociais!

 

Recommended Posts